Hoje daremos continuidade ao nosso guia prA?tico de degustaA�A?o ressaltando a importA?ncia de mais um sentido essencial: o olfato. Conseguir identificar os principais aromas de um vinho nA?o A� uma tarefa fA?cil e necessita disciplina e persistA?ncia, isso porque alguns cheiros sA?o bem diferentes do que estamos acostumados a sentir e o nariz precisa ser treinado para identificA?-los.

Assim como cada vinho tem uma personalidade prA?pria, cada composiA�A?o herdarA? caracterA�sticas sinestA�sicas marcantes. Por exemplo, enquanto um vinho branco possui notas olfativas bem suaves, o tinto A� mais marcante e tende a remeter aromas mais fortes.

Vamos comeA�ar pelo passo-a-passo do processo de degustaA�A?o. Assim como foi dito em nosso primeiro post, o primeiro estA?gio da degustaA�A?o A� a parte visual, ressaltando a densidade da cor, viscosidade (caracterA�sticas da lA?grima) e as nuances que a sombra do lA�quido reproduz no fundo branco. Depois de identificar as caracterA�sticas visuais, estA? na hora de colocar o olfato para trabalhar.

Segure a sua taA�a pela haste e agite o lA�quido em movimentos circulares utilizando o antebraA�o, nA?o o punho, pois a probabilidade de o lA�quido cair do copo A� maior. Assim que vocA? expor todos os componentes do vinho ao oxigA?nio, ele comeA�arA? a liberar seus aromas, portanto A� o momento de colocar o nariz dentro do bojo da taA�a e respirar fundo.

Aromas de acordo com o tipo de vinho

Vinho branco e espumantes: O vinho branco apresenta aromas menos intensos e mais frutados, como limA?o-siciliano, grapefruit, laranja, limA?o, ameixa, pA?ssego, maA�A?, pera, marmelo, damasco, melA?o, manga, abacaxi, banana, lichia, goiaba e maracujA?. TambA�m A� possA�vel sentir notas de grama verde, primentA?o, folhas, feno, ervas finas, alcachofra, ervilha fresca e erva-doce.

Aromas mais complexos envolvem especiarias, como canela, cravo, gengibre e primenta-branca, alA�m de amA?ndoas e avelA?. Fazem parte do bouquet notas olfativas florais de acA?cia, flores brancas, madressilva, rosas e gerA?nio. Em vinhos brancos de mais corpo e bons espumantes A� possA�vel identificar aromas de mel, brioche, baunilha, manteiga, torrada, levedo, biscoito, caramelo de leite, chocolate, frutas cristalizadas e passas.

Dependendo do tipo de envelhecimento que o vinho teve, ele leva aromas de carvalho, cedro e sA?ndalo. TambA�m A� possA�vel identificar aromas bem estranhos, mas que nem por isso perdem o seu precioso valor: petrA?leo, suor e urina de gato tambA�m sA?o encontrados em algumas garrafas. Vinhos brancos mais raros tA?m aromas de pedras A?midas, sal e aA�o, sinais de boa qualidade.

Vinho tinto e rosA�: Assim como os vinhos brancos, os tintos e rosA�s tambA�m contam com um grupo forte de cheiros frutados, porA�m um pouco mais fortes do que seu parente. Neles encontramos aromas de laranja, grapefruit, tangerina, groselha, morango, cranberry, framboesa, cereja, tomate, mirtilo, amora, ameixa-preta, ameixa-roxa, groselha preta, ameixa seca, uva passa e figo seco.

Beterraba, pimentA?o verde, menta, folhas de tomateiro, ervilhas frescas, ervas, eucalipto, erva doce e anis tambA�m nA?o ficam fora dos aromas presentes no bojo da taA�a.

Nos vinhos envelhecidos em barris de carvalho nota-se facilmente os aromas de carvalho, cedro e acA?cia, alA�m de cheiros mais intensos, como chocolate, caramelo, tabaco, cafA�, chA?, torrada, baunilha, coco e noz-de-cola. Quanto maior o tempo de envelhecimento, mais complexo o aroma se torna, podendo ter notas de vinagre balsA?mico, toucinho defumado, azeitonas pretas, pimenta negra, cogumelo, trufa e caA�a.

Em alguns casos, o aroma A� resultado especA�fico do uso de uma uva durante o processo de fabricaA�A?o. Por exemplo, a uva Nabbiolo deixa um cheiro de violeta, rosas e jasmim na bebida, enquanto a Syrah do Vale do RhA?ne tende a contribuir com aromas de alcatrA?o, grafite, couro, fumaA�a e chiclete. Em vinhos raros e de boa qualidade A� possA�vel sentir o cheiro de pedras A?midas e aA�o.

Os aromas de acordo com as uvas usadas na fabricaA�A?o

Algumas uvas tA?m sabores e aromas tA?o intensos que deixam notas marcantes nos vinhos, deixando a composiA�A?o harmA?nica e equilibrada. Confira abaixo uma seleA�A?o de uvas com esse poder:

  • Malbec: aroma de cereja, morango, ameixa, uva-passa, gerA?nio e violeta.
  • Pinot Noir: framboesa, morango, cereja, rosa, cafA� e canela.
  • Riesling: maA�A?, pA?ssego, damasco, flor de laranjeira e petrA?leo.
  • Tannat: amora, framboesa, morango, baunilha e terra A?mida.
  • Chardonnay: pera, manteiga, noz-moscada, melA?o e flor de leranjeira.
  • CarmenA?re: goiaba, cereja, tabaco, pimenta, cafA�, chocolate e couro.
  • Cabernet Sauvignon: ameixa-preta, amora, madeira de cedro, pimentA?o e azeitona preta.
  • Shiraz: cereja, amora, ameixa, damasco, pimenta-do-reino, lavanda e gengibre.
  • Sauvignon blanc: maracujA?, frutas cA�tricas, maA�A? verde, alcachofra e grama cortada.
  • Merlot: notas de ameixa, amora, aspargo, chocolate e violeta.

 

Revatio without prescription, lioresal reviews. Resumo das caracterA�sticas olfativas

Vinho branco: Aromas delicados, provenientes do processo de vinificaA�A?o a�� o suco para os vinhos brancos tem muito menos contato com as peles das uvas que os tintos, o que significa menos componentes extraA�dos das cascas.

Vinho tinto: Aromas mais intensos, que provA?m de componentes aromA?ticos presentes nas cA�lulas da casca de uva tinta, que sA?o liberados durante o processo de fermentaA�A?o. O tipo especA�fico do aroma depende da variedade, do local de cultivo e da quantidade de sol e calor que a uva recebeu.

Vinho rosA�: Aromas frescos e frutados, ligeiramente mais adocicados, os rosA�s tendem a ter a delicadeza do vinho branco, mas paleta aromA?tica do tinto.

Espumantes: Aromas de pA?o fresco, brioche e biscoito, provenientes do tempo de permanA?ncia do vinho em contato com leveduras mortas (borras) apA?s a segunda fermentaA�A?o.